Empresas brasileiras perdem R$ 652 bi em valor de mercado após eleições

Economia
Publicidade

Segundo estudo realizado pela Economatica, plataforma de informações sobre o mercado financeiro, as empresas brasileiras listadas na Bolsa de Valores tiveram uma desvalorização de R$ 651,9 bilhões desde o resultado das eleições presidenciais, no fim de outubro.

Já um outro estudo com dados compilados pelo portal de gerenciamento de investimentos TradeMap mostram que, em 28 de outubro, última sexta-feira antes do segundo turno, todas as companhias nacionais com ações na B3 valiam, juntas, R$ 4,413 trilhões. A soma caiu para R$ 3,841 trilhões no fechamento da última terça-feira (13), uma desvalorização total de R$ 571,86 bilhões.

Publicidade

Entre 21 de outubro e 13 de dezembro, as empresas listadas na Bolsa de São Paulo perderam R$ 730,84 bilhões em valor de mercado. Uma semana antes do dia 28 de outubro, as ações da Petrobras atingiram o valor mais alto de sua história, e a estatal, que é a maior empresa brasileira, chegou a valer R$ 520,60 bilhões. No mesmo dia, o Ibovespa encerrou o pregão em 119.933 pontos.

Na última terça, o principal índice da Bolsa brasileira chegou a zerar todos os ganhos, mas fechou no positivo, em 0,5% em reais e quase 8% em dólares, com volatilidade na curva de juros. Terminou o dia em 103.671 pontos, uma queda de 13,5%, enquanto o valor de mercado da petrolífera caiu para R$ 331,05 bilhões.

A forte queda da bolsa brasileira no início desta semana tem uma explicação, segundo Vanessa Naissinger, especialista de investimentos da Rico, “ainda uma resposta aos anúncios dos nomes para os ministérios do presidente eleito, ocorridos na sexta-feira, e as indicações de outros participantes do governo na manhã de segunda”.

Publicidade

Leandro De Checchi, analista da Clear Corretora, diz que o Ibovespa já começou a semana com a desvalorização de praticamente todas as ações que o compõem, “com o mercado precificando risco fiscal, o que estressa a curva de juros, favorece a alta do dólar e penaliza os ativos de risco”, analisa.

“Entre as principais blue chips, a Petrobras puxa a fila das perdas, juntamente com o Banco do Brasil, e ambos recuam com maior intensidade e pesam no Ibovespa. Vale ressaltar que a desvalorização das ações da Petrobras foi na direção contrária à alta do preço do petróleo, o que reforça o momento de aversão ao risco em meio a ruídos políticos, mesmo com o valuation atrativo da estatal”, afirma De Checchi.

Na quarta-feira (14), apesar de o Índice Bovespa ter iniciado a sessão “na contramão do mercado externo, com forte pressão vendedora, recuperou-se durante o dia”, diz o analista. Ele também informa que a desvalorização das ações da Petrobras continou forte no pregão do dia e puxou a fila das perdas no Ibovespa, enquanto os bancos privados, Vale e B3 se valorizaram, o que ajudou na boa recuperação do índice, que indica algum repique ao longo desta semana.

Publicidade

Com informações do R7

2 thoughts on “Empresas brasileiras perdem R$ 652 bi em valor de mercado após eleições

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *