Câmara aprova em 1° turno a ‘PEC fura-teto’ com R$ 168 bi fora do teto

Política
Publicidade

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira, 20, em primeiro turno, a chamada PEC ‘fura-teto‘, que busca abrir espaço fiscal para viabilizar, entre outras coisas, a continuidade dos pagamentos do Auxílio Brasil em R$ 600 mensais em 2023 – a partir do próximo ano, o programa voltará a ser chamado de Bolsa Família. Foram 331 votos favoráveis e 168 contrários.

O texto propõe a ampliação do teto de gastos em R$ 145 bilhões e permite gastos extras de até R$ 23 bilhões via receitas extraordinárias, somando impacto fiscal de R$ 168 bilhões. A matéria terá vigência de um ano.

Publicidade

Aprovada inicialmente no Senado Federal como PEC 32/2022, com prazo de dois anos, o texto foi adicionado à Proposta de Emenda à Constituição 24/2019, que exclui despesas de instituições federais de ensino da base de cálculo e dos limites individualizados para as despesas primárias. A união das propostas viabilizou a aprovação na Câmara ainda nesta legislatura. A votação será concluída na quarta-feira, 21, com discussão em segundo turno. Se aprovado, o texto volta ao Senado Federal.

Também chamada de PEC da Transição, a proposta também determina prazo até 31 de agosto de 2023 para que o futuro governo apresente uma nova âncora fiscal e traz artigo que estipula a divisão dos recursos referentes ao orçamento secreto entre os parlamentares, com incremento de R$ 9,85 bilhões nas emendas individuais e o Executivo, com R$ 9,85 bilhões sendo adicionados à verba discricionária do governo, identificadas como emendas RP-2. O texto aprovado pelos deputados é fruto de tratativas lideranças do Parlamento, membros da base aliada do Partido dos Trabalhadores (PT) e presidente da Câmara, Arthur Lira (PP). A matéria enfrentava resistências entre os deputados, que defendiam a redução do valor total da PEC, assim como a diminuição do prazo de vigência da matéria de dois anos, 2023 e 2024, para um ano.

O ponto chave para a solução foi costurar acordo relacionando a aprovação da PEC à divisão do orçamento secreto, como são conhecidas as chamadas emendas do relator ou emendas RP-9. De um lado, os petistas cederam aceitando prazo de 1 ano da PEC da Transição, mas garantindo a manutenção do valor de R$ 168 bilhões da matéria e a aprovação por ampla maioria. Do outro, os parlamentares referendaram proposta do futuro governo, porém mantendo quase R$ 10 bilhões sob poder do Congresso, minimizando o revés sofrido no Supremo Tribunal Federal (STF), que considerou as emendas RP-9 inconstitucionais.

Publicidade

Com informações da Jovem Pan News

1 thought on “Câmara aprova em 1° turno a ‘PEC fura-teto’ com R$ 168 bi fora do teto

  1. Wow, superb weblog format! How long have you ever been blogging for?
    you make blogging look easy. The entire glance of your site is fantastic,
    as well as the content material! You can see similar here e-commerce

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *